RSS

Como anda a contabilidade da sua empresa?

Se a sua primeira resposta foi “não sei”, “não tenho” ou “só com o meu contador”, este artigo é para você.

Infelizmente ainda temos a cultura de que a contabilidade é para o governo, seja do contador, ao iludir a empresária de que as empresas pequenas não são obrigadas; seja da empresária em achar que esse processo é totalmente independente da empresa (junta os documentos e manda para o contador). Isto além de ser um grande engano, pode levar a empresária a tomar decisões erradas e compromete diretamente a gestão do negócio.

contabilidade, seja fiscal (a que é enviada para o governo) ou gerencial (o que de fato acontece na empresa), deve ser vista pela empresária como importante ferramenta de gestão, pois através dela é possível gerir o negócio e evitar alguns problemas.

Tenho visto empresárias observando seu negócio somente pelo fluxo de caixa e quando se dão conta do problema não sabem se o negócio é rentável ou não, sabem que precisam de dinheiro, mas não sabem quanto e quando… Olhando pelos olhos de investidores, você arriscaria seu dinheiro?

contabilidade é muito rica em demonstrações, cada uma delas com uma função diferente, e que sozinhas são apenas números. As principais que devem ser acompanhadas  são:

Fluxo de Caixa – Acompanha o montante recebido e gasto em determinado período, é importante para equilibrar as contas do dia a dia, mas sozinho pode levar a empresária a cometer erros como achar que a empresa tem dinheiro, fazer retiradas e depois não saber como repor. Além disso, há o risco daquele dinheiro esperado não entrar e comprometer todos os compromissos assumidos.

Demonstração de Resultado – Acompanha o resultado do período, demonstra o quanto a empresa teve de lucro ou prejuízo. Sozinho não é eficaz porque também pode levar a empresária a cometer o erro de achar que a empresa tem dinheiro; os valores são demonstrados por competência, ou seja, você pode ter tido um alto lucro, mas o valor em si, financeiramente, pode ser recebido somente no mês seguinte, o que faz toda a diferença.

Balanço Patrimonial – Informa o que a empresa tem, seus bens e direitos, suas dívidas e, principalmente, o que foi feito do valor investido e o que foi feito do lucro da empresa. Sozinho não é eficaz porque é estático. O fato de se ter muitos ativos não quer dizer que a empresa tem dinheiro para assumir seus compromissos.

E você, como tem administrado sua empresa?

 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 11, 2013 em Noticias

 

Aprovado novo prazo para o parcelamento da Lei 11.941/2009

Foi publicada no Diário Oficial de hoje, 10-10, a Lei 12.865/2013, que reabre até 31-12-2013, o prazo para opção pelo pagamento à vista ou parcelamento, com redução de multas e juros, de débitos administrados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, inclusive de contribuições sociais previdenciárias, e para com a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional, vencidos até 30-11-2008, na forma da Lei 11.941/2009. Também foi reaberto, até 31-12-2013, o prazo para opção pelo pagamento à vista ou parcelamento, com redução de multas e juros, de débitos administrados pelas autarquias e fundações públicas federais e os débitos de qualquer natureza, tributários ou não tributários, com a Procuradoria-Geral Federal, na forma da Lei 12.249/2010.
A referida Lei, entre outras disposições, também estabelece:

Outros Parcelamentos

Foram criados os seguintes parcelamentos:

– em até 60 prestações, de débitos do PIS e da Cofins apurados por instituições financeiras e seguradoras, vencidos até 31-12-2012, ou pagamento à vista, em qualquer dos casos com redução de multas e juros, devendo o pedido ser efetuado até 29-11-2013. Nessas condições e prazos, também poderão ser pagos ou parcelados pelas pessoas jurídicas, os débitos objeto de discussão judicial relativos à exclusão do ICMS da base de cálculo do PISe da Cofins.

– em até 120 prestações, de débitos relativos ao IRPJ e à CSLL decorrentes dos lucros auferidos por controlada ou coligada no exterior, referentes à aplicação do artigo 74 da Medida Provisória 2.158-35/2001, ou pagamento à vista, em qualquer dos casos com redução de multas e juros, devendo o pedido ser efetuado até 29-11-2013.

Desonerações de PIS e Cofins

A Lei 12.865/2013 concedeu os seguintes benefícios:
– redução a zero do PIS e da Cofins sobre a subvenção extraordinária aos produtores fornecedores independentes de cana-de-açúcar afetados por condições climáticas adversas na Região Nordeste;

– suspensão da incidência do PIS e da Cofins sobre a receita decorrente da venda de soja classificada na posição 12.01 e dos produtos classificados nos códigos 1208.10.00 e 2304.00 da Tabela de Incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados (Tipi);

A Lei 12.865 também estabelece o critério para cálculo do crédito presumido de PIS eCofins, devidos em cada período de apuração, decorrente da venda no mercado interno ou da exportação dos produtos classificados nos códigos 1208.10.00, 15.07, 1517.10.00, 2304.00, 2309.10.00 e 3826.00.00 e de lecitina de soja classificada no código 2923.20.00, todos da Tipi.

PIS-Importação e Cofins-Importação

De acordo com alteração do artigo 7º da Lei 10.865/2004, a base de cálculo do PIS-Importação e da Cofins-Importação, incidentes na entrada de bens estrangeiros no território nacional, será apenas o valor aduaneiro.

Zonas de Processamento de Exportação

A Lei 12.865 alterou as normas aplicáveis às Zonas de Processamento de Exportação (ZPE), ampliando, de 24, para 48 meses, contados da data de publicação do ato de criação da ZPE, o prazo para a administradora iniciar, efetivamente, as obras de implantação.

Concessionárias de Energia Elétrica

Foi permitida, até 31-12-2018, a exclusão do lucro líquido, para a apuração do lucro real e da base de cálculo da CSLL, da diferença das taxas anuais de depreciação fixadas pela Receita Federal e o valor das taxas fixadas pela legislação específica aplicável aos bens novos, adquiridos ou construídos por empresas concessionárias, permissionárias e autorizadas de geração de energia elétrica, destinados a empreendimentos cuja concessão, permissão ou autorização tenha sido outorgada até aquela data.

Clique aqui e acesse a íntegra da Lei 12.865/2013.

Fonte: COAD

 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 11, 2013 em Noticias

 

Polícia Militar evita assalto a marmoraria

A Polícia Militar de Cianorte prendeu na segunda-feira (7) uma dupla que pretendia assaltar uma marmoraria na cidade. De acordo com o boletim, os policiais estavam em patrulhamento pela Estrada Pão de Açúcar quando avistaram duas pessoas em atitude suspeita. Eles estavam com uma motocicleta Honda CG 150 Titan, cor preta, e ao avistarem a viatura um deles jogou um objeto pela cerca da residência, ao verificar os policiais constataram que se tratava de uma arma de fogo.

Os sujeitos abordados foram identificados como D.L. de A. e J.C. de S.A. Em busca pessoal nada de ilícito foi encontrado, porém durante buscas os policiais encontraram um revólver calibre 32, com numeração suprimida e com seis cartuchos intactos. Ao serem questionas, D. assumiu ser o dono da arma e disse que comprou a mesma para realizar assalto em uma marmoraria de Cianorte. A dupla foi presa e encaminhada junto com a arma e com a motocicleta à Delegacia de Polícia Civil de Cianorte.

Roubo em Terra Boa

Às 19h35 do mesmo dia Policiais Militares do destacamento de Terra Boa foram acionados onde a vítima informou que havia acabado de fechar a farmácia e estava indo embora quando foi surpreendido por dois homens em uma motocicleta Honda CG. Um deles estava com um revólver e anunciou o assalto. Eles levaram o malote do estabelecimento com dinheiro e documentos. A PM realizou rondas, porém ninguém foi localizado

 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 11, 2013 em Noticias

 

As reais intenções por trás de 12 perguntas em uma entrevista de emprego

Você já se perguntou sobre as reais intenções das questões feitas por recrutadores em uma entrevista de emprego? É por meio delas que eles podem compreender melhor o perfil do candidato – e analisar se ele é ideal para a vaga.

Algumas perguntas simples, e muito usadas, como “onde você se vê daqui a cinco anos?” ou “conte-me mais sobre você”, podem parecer banais, mas acabam mostrando ao entrevistador muito mais que o candidato gostaria, como habilidades interpessoais, de relacionamento, planejamento, ambição, entre outras.

Pensando nisso, o site Life Hacker elaborou uma lista com as intenções escondidas nas perguntas feitas em uma entrevista de emprego. Confira 12 delas:

1. “Como sua família se sente sobre você trabalhar por muitas horas seguidas?”
Real intenção: saber se sua família apoiará – ou não – os longos turnos de trabalho que você poderá enfrentar no futuro emprego.

2. “Onde você se vê daqui a cinco anos?”
Real intenção: analisar sua ambição.

3. “Por que eu deveria lhe contratar?”
Real intenção: checar seu nível de autoconfiança.

4. “Conte-me mais sobre você.”
Real intenção: analisar sua desenvoltura de comunicação e como você se apresenta.

5. “Se perguntasse para seus amigos para descrevê-lo, o que eles diriam?”
Real intenção: entender se você é uma pessoa orientada pelo o que os outros acham ou se você aceita opiniões de outros.

6. “Diga-me sobre o pior chefe que você já teve.”
Real intenção: entender como você lida com antigas experiências com seus gestores.

7. “Por que você quer trabalhar em nossa empresa?”
Real intenção: saber seu grau de conhecimento sobre a organização.

8. “Qual foi o último livro que você leu?”
Real intenção: explorar seu nível intelectual, assim como seus interesses ou o quanto você lê sobre o mercado em que atua.

9. “Diga-me uma vez em que você se deparou com um problema ético.”
Real intenção: o recrutador busca evidências sobre sua ética profissional e honestidade.

10. “Por que você deixou seu último emprego?”
Real intenção: saber sobre seu comprometimento com o emprego e se você ficará satisfeito com sua nova vaga.

11. “Se você escrevesse uma autobiografia, qual seria seu título?”
Real intenção: analisar como você pensa.

12. “O que faria se você tivesse um milhão de dólares para lançar sua melhor ideia de um negócio?”
Real intenção: checar sua habilidade de planejamento.

Luiza Belloni Veronesi

Fonte: Infomoney

 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 9, 2013 em Noticias

 

Entenda as mudanças pretendidas pelo Governo para criar o SIMPLES UNIVERSAL.

O governo pretende universalizar o Simples Nacional e adotar a classificação pelo porte da empresa, e não pela atividade, para permitir seu ingresso no regime unificado de tributos. O ministro da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, espera que a medida seja aprovada até o fim do ano pelo Congresso Nacional. Em até 12 meses, Afif ainda pretende colocar em prática um processo único para abertura e encerramento de empresas.

As propostas foram apresentadas pelo ministro ontem, em São Paulo, durante audiência pública para discutir o Projeto de Lei Complementar 237/12. O evento se repetirá em Belo Horizonte (dia 7) e termina dia 10 em Brasília, quando o deputado federal Cláudio Puty (PT) pretende apresentar o substitutivo do projeto com as sugestões.Afif denominou as propostas como “ações transformadoras”. “Pensar simples é um mantra, uma obsessão que temos que levar daqui para frente”, disse. O ministro dividiu as propostas em três linhas de atuação.

A primeira inclui o fim da substituição tributária para empresas no regime, a unificação de obrigações como FGTS e Caged, a facilitação da abertura e fechamento de empresas por meio de uma rede unificada, a Redesim, e o modelo simplificado de tributação para todas as categorias de empreendedores com faturamento anual de até R$ 3,6 milhões.

Essa última proposta, se aprovada, vai impactar no cotidiano de empresários como André Fernandes, que há 15 anos administra uma consultoria na área de alimentos em Jundiaí, cidade do interior paulista. Com faturamento anual entre R$ 250 mil e R$ 350 mil, a MV Engenharia mantém um portfólio de clientes de peso, como Pepsico e Nestlé. Um negócio que, segundo Fernandes, “segue bem, mas poderia estar melhor”. “Fico pensando: ‘meu faturamento cabe no Simples tranquilamente’. Mas por ser uma empresa de consultoria, não posso aderir ao sistema. Se fosse diferente, isso representaria uma economia importante e isso traria reflexos para a empresa”, destaca o empresário.

Na ponta do lápis, Fernandes calcula que uma possível migração do Lucro Presumido, seu sistema atual, para o Simples Nacional traria uma economia entre R$ 30 mil a R$ 50 mil por ano. Isso, ele diz, levando em conta a queda da carga tributária e os custos operacionais gerados pela contabilidade, que no Lucro Presumido demandam um volume maior de processos e mão de obra. “Isso daria condição de contratar de um a dois funcionários para melhorar o atendimento e ampliar a empresa”, destaca Fernandes, que tem três empregados fixos.

Complemento. Afif também apresentou propostas para eliminar algumas exigências para facilitar a participação das micro e pequenas empresas em licitações. Na terceira linha de atuação, o ministro estuda maneiras para fazer dos pequenos empreendimentos a porta de entrada dos jovens no mercado de trabalho por meio do programa Jovem Aprendiz.

A proposta que deve enfrentar mais resistência é a que encerrar a substituição tributária. No regime, o pagamento do ICMS é antecipado no início da cadeia produtiva e o cálculo é feito em cima de uma base presumida de preço final, o que torna os desembolsos maiores.

CONHEÇA AS PROPOSTAS DA SECRETARIA DA MICRO E PEQUENA EMPRESA

Universalização
Ampliar categorias que podem ser incluídas no Simples Nacional, assim, corretores e advogados, por exemplo, poderão ser beneficiados.

Unificação
Unificar obrigações como o FGTS, Caged e Rais.

Substituição Tributária
Fim da substituição para empresas optantes do Simples. O regime faz com que as empresas paguem alíquota maior.

Certidões
Eliminar exigências para participação em licitações e exigir uma certidão: a da Previdência Social.

Abertura de empresa
Facilitar a abertura e fechamento de negócios por meio da integração de sistemas e um cadastro digital unificado, a Redesim.

Jovem Aprendiz
Incluir as micro e pequenas empresas na Lei do Jovem Aprendiz como estímulo e não obrigação.

Fonte: Estadão PME

 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 9, 2013 em Noticias

 

Marmoristas, Compensação de tributos nacionais

Micro e pequenas empresas e microempreendedores individuais brasileiros inscritos doSimples Nacional poderão, a partir de dezembro próximo, compensar créditos de oito tributos Federais, estaduais e municipais pagos a maior, sem precisarem mais fazer pedido de restituição formal ao fisco correspondente, como acontece até hoje. Para tanto, a Receita Federal está finalizando e homologando em oito de novembro vindouro, um novo aplicativo no Portal do Simples Nacional, que informará quanto o microempresário pagou a mais, tributo a tributo.
Dessa forma, quem pagou a maior, impostos federais, tais como o IRPF, a CSLL, Cofins,PisPasep, IPI ou CPP; o estadual, ICMS, ou ainda, o municipal, ISS, poderá usar o crédito para quitar o respectivo tributo, no ato da nova declaração mensal. “A compensação vai ser tributo a tributo e credor a credor”, antecipou o secretário Executivo do Comitê de Gestão do Simples Nacional, Silas Santiago.

Desburocratização

Palestrante da manhã de ontem, do painel “Simples Nacional, Histórico e Perspectivas”, no IX Encontro Nacional de Administradores Tributários (Enat), – que transcorre até hoje, em Fortaleza -, Santiago explicou, inclusive, que se o valor pago a maior foi acima do montante da nova contribuição, o crédito restante poderá ser aproveitado no pagamento de dívidas tributárias futuras, dos meses seguintes.

“O modelo atual é muito burocrático e demorado. Para obter uma restituição, o contribuinte precisa protocolar um pedido formal do tributo pago a maior, para ser ressarcido sabe lá quando”, expõe Santiago. Segundo ele, a nova ferramenta irá beneficiar cerca de 4,4 milhões micro e pequenas empresas e 3,5 milhões de microempreendedores individuais em todo o País.

Conforme disse, o aplicativo será homologado no dia oito de novembro, mas somente no mês seguinte estará disponível, efetivamente, para os optantes do Simples Nacional no site da Receita Federal: http://www.receita.fazenda.gov.br/. Santiago reconhece que esse era um pleito antigo das micro e pequenas empresas.

A nova ferramenta começou a ser desenvolvido há cerca de dois anos, a partir da vigência da lei complementar 139, de janeiro de 2012. “A demora ocorreu porque esse aplicativo dispõe de uma conta corrente, empresa por empresa”, justificou.

Integração

“O Simples Nacional é o principal exemplo de integração federativa”, descreve, lembrando que o instrumento permitiu a unificação do recolhimento mensal de oito tributos federais, estadual e municipal, por meio de um documento único de arrecadação tributária.

“Ele subverte a lógica do sistema tributário e, por sua competência compartilhada, (com Estados e municípios) é um lugar onde todos controlam e fiscalizam em conjunto”, ressaltou.

Parcelamento

Outro projeto em andamento, anunciado ontem, visa o recolhimento da parcela real do parcelamento. “Desde março, você já consegue recolher a parcela mínima de R$ 300,00 para quitação dos débitos mais antigos. Os débitos de 2012 e 2013 não estavam carregados e já poderão ser pagos no mês que vem”, previu o secretário executivo.

Carlos Eugênio

Fonte: Diário do Nordeste – CE

 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 9, 2013 em Noticias

 

MPT-PE abrirá inquérito para apurar morte de homem em marmoraria

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Pernambuco informou, nesta terça-feira (1º), que irá abrir um inquérito civil público para apurar se a morte de um trabalhador numa marmoraria foi decorrente de acidente de trabalho. O homem de 20 anos morreu na tarde da segunda (30), quando descarregava um caminhão com chapas de mármore na empresa, localizada em Setúbal, Zona Sul do Recife . Outros três funcionários ficaram feridos.

Em caso de verificada a responsabilidade da empresa no caso, o MPT pode acioná-la na justiça do trabalho, pedindo pagamento de dano moral coletivo e regularização das condutas de trabalho, ou ainda firmar um Termo de Ajuste de Conduta (TAC). O procedimento será arquivado se a culpa da marmoraria não for comprovada.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o acidente aconteceu por volta das 15h, na Rua Jornalista Alfredo Porto Silveira. O caminhão parou em frente à empresa com um carregamento que trazia dez chapas de mármore do Espírito Santo, cada uma pesando entre 200 e 250 kg. As placas teriam tombado e atingido os quatro funcionários, sendo que um deles acabou ficando debaixo das pedras.

O dono da marmoraria informou que está prestando toda a assistência necessária à família da vítima. Os três feridos foram encaminhados ao Hospital da Restauração, no Derby, e à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Imbiribeira, na Zona Sul. Apenas um segue internado, no HR, e o estado de saúde dele é considerado estável.

 
Deixe um comentário

Publicado por em outubro 9, 2013 em Acidente

 
 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.736 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: